ATUALIZE O SEU CADASTRO

Sindicalistas assassinados na Colombia

Ato exige fim das mortes de sindicalistas na Colômbia

Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região – CUT/SP
 
Consulados e embaixadas da Colômbia em todo o mundo foram alvo nesta terça-feira, dia 8, de manifestações contra a série de assassinatos de lideres sindicais e a falta de garantias de segurança para os representantes dos trabalhadores no país. O estopim para os protestos foi a morte do dirigente sindical da União Nacional de Bancários da Colômbia (UNEB) e funcionário do Citibank Leonidas Gómez Rozo, no dia 8 de março, em Bogotá.

Em São Paulo, o ato aconteceu em frente ao consulado colombiano, localizado no Itaim Bibi. “São mais de 450 mortes de dirigentes sindicais apenas no governo de Álvaro Uribe. Nos últimos 21 anos foram assassinados 2.515 sindicalistas”, afirmou a diretora do Sindicato Rita Berlofa.

Trabalhadores barrados - Um dos objetivos do protesto foi levar até o cônsul-geral da Colômbia, Maurício Acero, um documento de repúdio à atual situação e cobrando a responsabilidade do presidente colombiano pela solução dos problemas e a punição dos culpados. Mas Acero se negou a receber os representantes dos trabalhadores dentro do consulado.

“Isso é inacreditável. Mas na verdade a situação mostra como funcionam as coisas na Colômbia, onde ser sindicalista significa correr risco constante de vida. Não íamos ofender ninguém, é claro, nosso objetivo era apenas fazer chegar o documento às mãos do diplomata, mas ele se negou a nos receber. Temos aqui as três maiores centrais sindicais representadas [CUT, UGT e Força Sindical], mas para Acero isso parece não significar nada”, disse o dirigente do sindicato mundial Uni América Finanças Márcio Monzane.

Ele recomendou aos representantes dos diversos sindicatos presentes a realização de reclamações formais contra o cônsul-geral colombiano junto ao governo daquele país.Você também pode participar enviando mensagens ao governo da Colômbia ([email protected]) com cópia para Confederação Sindical das Américas ([email protected]).

 

Compartilhe!