Proposta Rebaixada! Com luta ela melhora!!!

Fenaban apresenta proposta rebaixada e bancários prometem paralisações para esta quinta-feira PDF Imprimir E-mail
FETEC/CUT-SP   
24 /09 / 2008

A sétima rodada de negociação, realizada na manhã desta quarta-feira, entre o Comando Nacional dos Bancários e a Fenaban não durou mais do que 30 minutos. Foi o tempo suficiente para que os banqueiros apresentassem uma proposta econômica totalmente adversa das reivindicações da categoria e prontamente rejeitada pelos representantes dos bancários.

A proposta traz reajuste de 7,5% para salários, verbas e benefícios e mantém a mesma regra do ano passado para a Participação nos Lucros e Resultados (PLR). Juntamente com a proposta econômica, a Fenaban entregou sugestão de texto para algumas das cláusulas da Convenção Coletiva, sobre as quais pretende proceder mudanças ou ver implementadas sob a sua ótica: estabilidade pré-aposentadoria; vale transporte; emissão de CAT nos casos de assalto/seqüestro Programa de Reabilitação e Readaptação; e Política de Prevenção de Conflitos no Ambiente de trabalho (contra assédio moral).

Para o Comando Nacional, trata-se de uma proposta infame. “Além de pretenderem limitações em direitos históricos da categoria, o aumento real contido na proposta é pífio frente a uma inflação de 7,15% (INPC de 30/08/07 a 31/08/08) e paralelamente aos resultados dos bancos e ao esforço constante dos bancários para o crescimento do setor. Somado a isso, a formulação dos banqueiros para a PLR tende a reduzir os valores pagos por alguns bancos em comparação ao ano passado”, explica o presidente da FETEC/CUT-SP, Sebastião Geraldo Cardozo.

Ao rejeitar de imediato os parâmetros rebaixados, o Comando Nacional reivindicou uma contraproposta. Os representantes da Fenaban negaram, sugerindo que uma contraproposta fosse feita pelos negociadores da categoria.

O Comando deixou claro que a intenção é construir o acordo por meio de negociação, lembrando que a assinatura de um novo instrumento deve passar pela ampliação do aumento real, valorização dos pisos e do auxílio alimentação, além da adoção de uma nova regra para a PLR, de forma a melhorar os valores distribuídos e pôr fim à vinculação da parcela adicional à variação do crescimento do lucro das instituições.

Os banqueiros, por sua vez, anteciparam não haver intenção de prosseguir com a política de valorização dos benefícios, os quais, segundo eles, já teriam sido suficientemente melhorados nos últimos anos.

“Mais uma vez, os banqueiros apostam no confronto, o que não deixa alternativa aos bancários, senão intensificar o movimento”, avisa o secretário geral da FETEC/CUT-SP, Pedro Sardi.

Como resposta, o Comando Nacional indica a realização de paralisações nesta quinta-feira, Dia Nacional de Luta, priorizando os bancos que compõem a mesa de negociação da Fenaban. Além disso, estão previstas assembléias para até 29/09, quando os bancários deverão rejeitar a proposta rebaixada dos banqueiros e aprovar greve de 24 horas para 30/09.

Lucimar Cruz Beraldo

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email