Planos de Saúde BB/ Nossa Caixa

Funcionários do BB e da Nossa Caixa passam a compartilhar planos de saúde

Desde o último dia 03/08, os funcionários da Nossa Caixa já podem fazer uso da rede de atendimento da CASSI - Caixa de Assistência dos Funcionários do Bando do Brasil. Do mesmo modo, também está disponibilizada aos funcionários do BB a rede de atendimento do Economus – Instituto de Seguridade da Nossa Caixa.

A extensão da rede de atendimento dos planos de saúde da Nossa Caixa e do BB ao conjunto do funcionalismo de ambos os bancos consta do acordo de reciprocidade assinado entre a direção da Nossa Caixa, do Economus e da CASSI, no último mês de maio, frente ao processo de fusão atualmente em curso entre as instituições.

A ampliação da rede credenciada, no entanto, apresenta limitações. Ao funcionalismo da Nossa Caixa, o atendimento está restrito aos prestadores do Estado de SP. “Foi uma grande frustração. Se a rede da CASSI é nacional, então, não se justifica a restrição”, afirma a diretora da FETEC SP, Adriana Pizarro.

A dirigente lembra que, nas publicações internas da Nossa Caixa e do Economus, houve a garantia de que não haveria alterações nas regras do plano de saúde e que a red e de prestadores de serviço em saúde poderia ser consultada no site da Caixa de Assistência.

Tal garantia consta das seguintes publicações: Economus ABC Saúde de agosto/09, clipping Notícias Economus edição nº 4 de julho e agosto e Boletim Endomarketing.

As publicações do Economus, inclusive, trazem afirmações do Diretor Administrativo do instituto, José Luiz Florio Buzo, que induzem ao entendimento de que o funcionalismo teria direito a toda a rede nacional. “Todos os inscritos no Economus, que receberam a carteira do convênio, podem utilizar a rede de credenciados da CASSI, disponível no site www.cassi.com.br. É uma boa ampliação nos recursos”, diz Buzo.

“Foi um banho de água fria. Estamos pressionando o BB a retomar as negociações sobre todas as questões referentes à fusão. Com relação à saúde, queremos uma solução global, lembrando que o prazo de 60 dias dado pela direção do BB para conclusão dos estudos relativos ao tema termina no próximo dia 25/08. Mesmo assim, até o momento, o banco ainda não agendou a retomada das negociações”, conclui Adriana Pizarro.

Crise passa longe do Itaú Unibanco

O Itaú Unibanco Holding registrou lucro líquido de R$ 4,585 bilhões no primeiro semestre de 2009, um aumento de 12,26% ante os R$ 4,084 bilhões de igual período de 2008. Os ativos totais somaram R$ 596,387 bilhões, com aumento de 72,41%, e os empréstimos tot ais foram de R$ 265,966 bilhões, com crescimento de 79,61%. O resultado bruto da intermediação financeira somou R$ 16,105 bilhões, com crescimento de 87,1%, e o resultado operacional cresceu 54,9%, para R$ 9,646 bilhões.

O lucro líquido recorrente registrou queda de 14,35% em relação a igual período do ano passado, quando ficou em R$ 2,836. Neste segundo trimestre de 2009 ficou R$ 2,429 bilhões.

Conforme balanço, o retorno sobre o patrimônio líquido médio anualizado caiu de 26,5% para 22,3%, e o retorno sobre o ativo médio anualizado passou de 2,2% para 1,7%.

“O lucro do Itaú Unibanco mostra, mais uma ve z, que os bancos brasileiros não entraram em crise. Agora, querer comparar lucro do ano passado apontando perdas é querer desvirtuar a lógica de que os bancos vêm lucrando cada vez mais neste país. É querer não reconhecer o trabalho dos bancários que estão se esforçando além do que podem para atingir as metas abusivas impostas pelos bancos”, denuncia Valdir Machado de Oliveira, diretor de Bancos Privados da FETEC/CUT-SP.


Conforme o dirigente, é no mínimo injusto falar que o banco não está obtendo lucro, para não pagar uma PCR (Participação Complementar de Resultados), aos funcionários do grupo Itaú Unibanco no mesmo patamar do que foi pago do ano passado.

Lei Maria da Penha completa três anos

Durante a comemoração de três anos de sanção da Lei Maria da Penha (11.340/06), no dia 6, em Brasília, a Secretaria de Políticas Especiais para as Mulheres (SPM) lançou o Prêmio Boas Práticas na Aplicação, Divulgação ou Implementação da Lei Maria da Penha. O evento teve a participação da farmacêutica que dá nome à lei que coíbe a violência contra as mulheres.

O prêmio foi criado para estimular a correta aplicação da legislação, será concedida às pessoas físicas ou jurídicas indicadas por terceiros, cujos trabalhos ou ações merecem especial destaque no enfrentamento à violência doméstica e familiar contra a mulher por meio da Lei Maria da Penha.

A central de atendimentos do Ligue 180, serviço criado pela SPM, computou 161.774 de denúncias, este ano, em todo o Brasil mostra que São Paulo é o líder nacional, com um terço dos atendimentos, um total de 54.137. Na maioria das ligações registradas na região Sudeste, as usuárias do serviço declaram sofrer violência diariamente (69,87%). Dos tipos de violência (física, moral, psicológica e material), a física é a que tem o maior número de relatos na região. São 5.110 do total de 9.539.

“São Paulo é o estado recordista de denúncias devido ao grau de informações que as mulheres têm. É importante que a lei seja divulgada em todos os lugares do Brasil para que as mulheres se sintam protegidas e esse tipo de violência acabe. Além disso é importante que sejam garantidas outras políticas de atendimento às vítimas, visando colocá-las a salvo desse tipo de crime”, afirma Maria Izabel da Silva, secretária de Políticas Sociais da FETEC SP.

Das mulheres que utilizaram o serviço 57,81% são casadas, 44,06% negras que cursaram até o ensino médio e 36,93% tem entre 20 e 40 anos.

Prêmio – São cinco as categorias disponíveis: Implantação de programas e políticas; Criação e implementação de serviços; idealização ou realização de campanhas; realização de estudos e pesquisas; e realização de matérias jornalísticas. As indicações poderão ser feitas na página www.spmulheres.gov.br até o dia 8 de março de 2010 e os vencedores serão conhecidos em agosto do mesmo ano, durante o quarto aniversário da Lei Maria da Penha.

Aos escolhidos serão concedidos diploma e trabalho artístico. Podem concorrer integrantes ou instituições do sistema de justiça, dos executivos estaduais ou municipais, do sistema de segurança pública, da sociedade civil, de instituições acadêmicas, jornalistas e/ou órgãos de mídia.


Juliana Satie e Lucimar Cruz Beraldo



Compartilhe!