ATUALIZE O SEU CADASTRO

Plano odontológico BB: Alguns esclarecimentos

Na campanha nacional de 2008, os sindicatos de bancários de todo o país conseguiram importante conquista, relativa à implantação do plano odontológico para todos os funcionários do BB. O prazo inicial para implantação deste direito era de Julho de 2009, posteriormente adiado para Janeiro de 2010, ainda não cumprido.
 
Durante este período, os Sindicatos de todo o país cobraram e continuam a cobrar a direção do BB e da Cassi, pois a melhor forma de gestão e de controle pelos funcionários sobre o plano seria pela Cassi. Tal medida ainda representaria mais aportes de recursos diretamente para a nossa Caixa de Assistência. O BB pretende implantá-lo através de uma parceria privada, seja por uma controlada do banco ou por uma empresa contratada no mercado.
 
O Sindicato dos bancários já fez manifestações em Jundiaí e divulgou que continuará lutando pela implantação do plano odontológico. Em todo Brasil diversas entidades sindicais cobram através de atividades em portas de agências e departamentos que este plano seja implementado. A Contraf-CUT, juntamente com o Sindicato de Brasília, denunciou ao Ministério Público do Trabalho o descuprimento do prazo.
 
Em nossa região de Jundiaí, representantes da Anabb oferecem o plano odontológico da Odontoprev, sob o argumento da inviabilidade do plano odontológico a ser implantado pelo BB e de que este não sairá do papel. O Sindicato dos Bancários de Jundiaí e Região repudia esta tentativa de se obter lucro com a desmobilização dos funcionários e rebaixamento de conquistas. Ao invés de querer vender seus “produtos”, de uma empresa que é ligada ao Bradesco, caso da Odontoprev, a Anabb deveria estar ao lado dos Sindicatos cobrando a direção do Banco para cumprir o que foi assinado.
 
Desta forma, esclarecemos que os planos vendidos pela Anabb-Odontoprev, não tem qualquer relação com a conquista dos funcionários. Continuaremos na luta pelo cumprimento do acordo junto ao BB, tanto em nossas atividades e jornais, quanto na esfera jurídica.
 
Paulo Eduardo Malerba

Compartilhe!