Negociação com a Fenaban deste sábado

Proposta ainda insuficiente
Bancos podem pagar reajuste maior nos salários e ampliar valorização dos pisos. Negociação foi suspensa e continua 2ª
Reunião

São Paulo - A federação dos bancos apresentou neste sábado proposta para a renovação do Contrato Coletivo de Trabalho (CCT) considerada insuficiente pelo Comando Nacional dos Bancários. A negociação foi suspensa e será retomada na segunda-feira às 11h.

A forte greve nacional dos trabalhadores de bancos privados e públicos, que completou dez dias na sexta-feira 8, arrancou da federação dos bancos (Fenaban) a retomada das negociações e uma nova proposta.


O reajuste apresentado foi de 6,5% para salários até R$ 4.100 (aumento real de 2,12%). Acima desse valor haveria um reajuste fixo de R$ 266,50. Ou seja, qualquer salário acima de R$ 4.100 teria somente o acréscimo de R$ 266,50. Assim, em faixas salariais acima de R$ 6.212, o reajuste começa a ficar abaixo da inflação. O piso para escriturário passaria de R$ 1.074 a R$ 1.180, representando aumento de 9,82%, valor considerado ainda insuficiente.



“A retomada da mesa foi uma conquista muito importante dos bancários, mas a Fenaban tem condição de melhorar essa proposta”, afirma o presidente do Sindicato, Paulo Santos Mendonça. “Deixamos claro na rodada de negociação que defendemos o aumento do percentual de 6,5% e que seja igual para todos, sem teto. Eles disseram que hoje não tinham condição de alterar nada porque precisam consultar as direções dos bancos”, explica o dirigente. “Por isso a negociação foi suspensa e será retomada na segunda.”

A reunião do Comando dos Bancários ressaltou que a greve tem de ser mantida forte como está, até que seja apresentada uma proposta melhor.

Mais – A Fenaban também não atendeu à reivindicação de PLR maior, já que a proposta corrige pelos 6,5% a regra do ano passado (de 90% do salário mais R$ 1.024 com teto R$ 6.680), inclusive os R$ 2.100 do teto da parcela adicional. Os mesmos 6,5% seriam aplicados nas demais verbas salariais como vales refeição, alimentação, 13ª cesta, e demais auxílios.

Por conta da mudança na lei que rege a educação no país, a Fenaban propôs alterações no auxílio-creche. O valor subiria de R$ 207,95 para R$ 258,90, mas passando de 83 meses para 71 meses.

Segurança e saúde – De acordo com a federação dos bancos, os pontos que avançaram nas questões de segurança serão apresentados na próxima rodada de negociação: obrigatoriedade do registro de boletim de ocorrência, divulgação de estatística semestral do setor e atendimento psicológico no pós-assalto. “Reiteramos a necessidade de fechar um acordo com proposta global que dialogue com o fim do assédio moral nos locais de trabalho”, completou Mendonça.

Específicas - O Comando Nacional dos Bancários e as direções do Banco do Brasil e da Caixa Federal voltam a negociar na segunda-feira 11, no período da manhã, as questões dos trabalhadores para a renovação dos acordos coletivos específicos.

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email