O coletivo estadual do Hsbc na fetec no dia 11de março estavão presentes Seebs de Jundiaí, São Paulo, ABC, Guarulhos, Araraquara, Limeira, Bragança Pta, Mogi das Cruzes e da Feeb SP/MS estavam presentes Seeb Santos e Seeb Campinas e Ana Carolina do Dieese SP.

O debate se inicio com a esplanação do Dieese sobre o balanço do banco 2008 sendo que o crescimento do banco no segundo semestre implicou o não pagamento do adicional na segunda parcela da PLR que foi de 9%, se analisou também em comparação aos outros bancos, o hsbc expandiu muito pouco o numero de agências no Brasil. O hsbc cresceu 37% no ano de 2008 que gerou um lucro de 1,35$ bilhões porem nota-se que o banco esta economizando o máximo possível, parece que os executivos do banco querem deixar o  banco mais enxuto possível, nesta mesma data o banco fechou 10 agência na grande São Paulo e 01 em na cidade de Campinas o que nos pegou de surpresa.

O segundo ponto descutido foi a PPR/PSV que no ultimo dia 27 de fevereiro frustou todos da area comercial do banco em todo pais, por ter compemsado a PLR da PSV, os informes de todos os sindicatos presentes é de revolta da área comercial do banco.

Ficou agendada reunião com o banco no dia 25, em Jundiaí e Região estaremos realizando manifestações nas agencias no dia 24 de março.

 

Adelmo e Claudia

Diretores do Sindicato

 

Propaganda não faz o melhor banco para se trabalhar. Anúncio de Shaun Wallis em 02/03 na Folha de São Paulo E a realidade dos últimos dias mostra a outra face do HSBC no Brasil.
Searj - departamento fechado em dezembro no RJ - 95 demissões
60 demissões no CAM - Centro Administrativo Morumbi - bancários e terceirizados
17 agências fechadas em São Paulo - no mínimo 60 demissões
Departamento fechado em Curitiba em janeiro - 100 trabalhadores demitidos.
Fica uma pergunta: Devemos acreditar na transparência do banco inglês no Brasil?
    
Obs: Abaixo a declaração do atual presidente do HSBC no Brasil.
 
02/03/2009 - 10h31

HSBC anuncia lucro recorde no Brasil em 2008 e descarta demissões

da Folha Online

O HSBC no Brasil anunciou nesta segunda-feira lucro líquido recorde de R$ 1,35 bilhão em 2008, crescimento de 9% em relação a 2007. O banco também informou que a demissão de mais de 6.000 funcionários, divulgada hoje em Londres, não vai atingir as operações e os funcionários da instituição britânica no Brasil.

O banco iniciou suas operações no país em 26 de março de 1997 e tem hoje 2.502 pontos de atendimento. Conforme o balanço divulgado hoje, o ativo total do HSBC no Brasil aumentou 58% em 2008, avançando de R$ 70,75 bilhões para R$ 112,1 bilhões.

“As operações de crédito tiveram papel preponderante no resultado recorde do ano passado. Os ativos de crédito cresceram 27% em 2008, com forte ênfase nos mercados de financiamento a pessoas físicas e a pessoas jurídicas”, informou a instituição financeira em comunicado.

Por outro lado, o HSBC elevou em 23% --para R$ 2,17 bilhões-- as previsões contra devedores duvidosos, de acordo com uma “política conservadora de concessão de crédito e em face à crise econômica internacional, que afetou a liquidez e aumentou o risco das operações financeiras no Brasil”.

“Em 2008, continuamos a aumentar nosso capital, adotando uma política conservadora em face ao cenário econômico global. Continuamos a ver o crescimento do ativo total, devido à nossa forte capacidade de captação de depósitos, e a manutenção de confortável nível de liquidez. Estivemos sempre abertos para negócios, buscando oferecer aos nossos 10 milhões de clientes soluções financeiras adequadas”, afirmou Shaun Wallis, presidente e CEO do HSBC Bank Brasil, em nota.

Europa

Em Londres, o HSBC informou queda de 70% do lucro líquido em 2008, para US$ 5,728 bilhões e o fechamento da maioria das agências de crédito ao consumidor HFC e Beneficial nos Estados Unidos, o que representará a demissão de 6.100 trabalhadores no país. Segundo o diário financeiro britânico “Financial Times” (“FT”), o banco vai fechar ainda 800 agências.

O grupo também informou redução de 28,9% dos dividendos em dólares para o ano de 2008 e gastos por desvalorização de créditos e créditos de risco de US$ 24,937 bilhões no ano passado, uma alta de US$ 7,695 bilhões em relação a 2007.

O HSBC, maior da Europa em termos de capitalização, também divulgou aumento de capital de 12,5 bilhões de libras (US$ 17,7 bilhões), a maior da história do Reino Unido.

Paulo Rogério - 20910494 - 22930765
Sindicato dos Bancários de São Paulo - CUT
 

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email