Fórum Social Mundial: desigualdade social se combate com bancos públicos fortes

Oficina da Contraf CUT no FSM dará ampla visão sobre papel fundamental dos bancos públicos para inclusão da população mais pobre do país na economia

A terceira das três oficinas que a Contraf-CUT organizou para o Fórum Social Mundial 2022, que acontece entre os dias 1º e 6 de maio, com eventos presenciais na Cidade do México, atividades híbridas e outras totalmente online, acontece na quinta-feira (5), às 10 horas, com o tema desigualdade social se combate com bancos públicos fortes.

“A oficina nos dará uma ampla visão sobre o papel fundamental dos bancos públicos para a inclusão da população mais pobre do país na economia. Poderemos no final das apresentações ver a importância dos bancos públicos de desenvolvimento na geração de emprego e renda”, convidou a diretora executiva e coordenadora de Bancos Públicos da Contraf-CUT, Eliana Brasil.

Para se inscrever, clique aqui.

Veja a programação completa do evento:

  • 10h – Abertura: Eliana Brasil e Rafael Zanon (Contraf/CUT).
  • 10h20 – Apresentação do Dieese sobre bancos públicos, por Fernando Amorim Teixeira, técnico do Dieese, doutorando em Economia pela Universidade Federal Fluminense (PPGE/UFF) e Professor Substituto do Instituto de Relações Internacionais e Defesa da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IRID/UFRJ).
  • 10h40 – Painel 1. Rita Serrano: está no terceiro mandato como representante eleita dos empregados no Conselho de Administração da Caixa Federal. Mestra em Administração Pública. Coordena o Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas. Autora de vários livros e artigos, entre eles, Caixa, Banco dos brasileiros (2018); coautora de O futuro é público (2020) e de A era digital e o trabalho bancário (2021).
  • 11h00 – Painel 2. Arthur Koblitz, graduado e doutorado em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, presidente da AFBNDES, membro titular do Conselho de Administração do BNDES.
  • 11h20 – Painel 3. Débora Cristina Fonseca, funcionária do Banco do Brasil, bacharel em Comunicação Social, tecnóloga em Gestão de Recursos Humanos, MBA em Gestão Bancária e Finanças Corporativas, CPA 10 e CPA 20, pós-graduada em Gestão da Inovação, Tecnologia e Conhecimento, fez curso para Conselheira de Administração pelo IBGC.
  • Perguntas.
  • Considerações Finais.

Para finalizar o evento, Rita Serrano vai falar sobre seu livro O futuro é público. A obra possui 248 páginas e foi baseada na pesquisa do Transnational Institute (TNI), centro de estudos em democracia e sustentabilidade sediado na Holanda.

O estudo do TNI revela que mais de 1,4 mil serviços foram reestatizados no mundo todo entre 2000 e 2017. Na maioria dos casos, a decisão de retornar esses serviços ao controle estatal se deu após a administração pela inciativa privada se mostrar problemática e ineficaz. “Esse denso trabalho traduz em fatos e números que privatizar os bens públicos não é a solução. Muito pelo contrário. A privatização tem gerado uma série de distorções e prejudicado sobremaneira a população mais carente, que é a que mais precisa da rede de proteção do Estado”, afirma a Rita Serrano.

O livro é gratuito e está disponível na versão digital aqui.

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Toda a categoria, mesmo quem não é sindicalizado, pode participar e indicar as prioridades para a Campanha Nacional até o dia 03 de junho. Participe!