Entidades sindicais ingressam com ação na Justiça contra a Caixa pelo não desconto do dia da greve de 27 de abril

”Com o desconto de mais dois dias, fica clara a prática antissindical adotada pela direção do banco”, diz diretora a Apcef/SP

Em mais um ataque da gestão da Caixa contra o direito de organização de seus empregados, os bancários que aderiram à paralisação de 27 de abril, decidida em assembleia da categoria, tiveram mais dois dias descontados referentes ao fim de semana, já que a direção considerou a data como “falta não justificada”. Considerar greve como “falta não justificada” é considerado prática antissindical e contraria decisão cautelar do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Empregados relataram, na época, que a direção da Caixa orientou as chefias a marcar o dia dos bancários como “D” no ponto eletrônico, o que corresponde a falta não justificada e, assim, passível não apenas de desconto do dia parado, mas de mais dois dias referentes ao fim de semana e, ainda, reflexos na carreira dos empregados.

O Sindicato dos Bancários já havia acionado a justiça, não apenas com relação ao desconto do dia parado, mas também pelo ponto com falta injustificada. Agora, com o desconto de mais dois dias, fica clara a prática antissindical adotada pela direção. O processo terá acréscimo de mais dois dias e nova argumentação em nosso favor ”, explicou a diretora da Apcef/SP, Vivian Carla de Sá.

Em 26 de abril, antes da paralisação, o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Maurício Delgado, proferiu uma tutela cautelar em defesa do direito de greve dos trabalhadores, mantendo um expediente mínimo de 60% na Caixa toda. No dia seguinte (27), a Contraf-CUT encaminhou ofício ao presidente da Caixa, Pedro Guimarães, reforçando a decisão do TST e solicitando que a orientação de desconto dada para as chefias fosse retirada.

“Vamos buscar nossos direitos na Justiça. A direção da Caixa busca por meio de chantagem e práticas antissindicais a desmobilização de seus trabalhadores, que lutam por melhorias na Caixa e nas condições de trabalho, mas não vai conseguir”, ressaltou a diretora da Apcef/SP.

fonte APCEF/SP

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email