Só na região de Jundiaí, Bradesco já demitiu mais de 10 trabalhadores. Categoria fez tuitaço em protesto às demissões

Contrariando o acordo de ”não demissão” com os trabalhadores, durante toda a pandemia, o Bradesco já demitiu mais de 1.200 trabalhadores desde o final de setembro deste ano.

No último dia 15 de outubro, sindicatos de bancários de todo o país realizaram manifestações contra a atitude do banco, que só na região de Jundiaí já demitiu mais de 10 trabalhadores, muitos com longo tempo de banco, inclusive, prestes a se aposentar.

“É inadmissível que um banco que lucrou mais de R$ 7 bilhões apenas no 2º semestre deste ano demita milhares de trabalhadores. É um verdadeiro desrespeito aos que vestiram a camisa do banco por anos e o ajudaram a atravessar todo o período da pandemia”, contesta Douglas Yamagata, funcionário do Bradesco e diretor do Sindicato.

“O banco, além de demitir em plena pandemia, o faz por telefone ou e-mail, sem respeitar trabalhadores doentes, hospitalizados, com estabilidade. E até bncárias grávidas. É um absurdo”, lamenta Magaly Fagundes, coordenadora da COE Bradesco.

Retirement: Recover from a Job Loss | BoomerMagazine.com
Banco está demitindo funcionários com anos de casa,
inclusive os que estão prestes a se aposentar
(foto divulgação)

Termo de estabilidade

A Convenção Coletiva de Trabalho diz que os bancários que estiverem próximos da aposentadoria não podem ser demitidos. É importante que o bancário entregue o “Termo de Compromisso” informando o banco que está em período de Estabilidade Pré-Aposentadoria. Maiores informações podem ser obtidas no Sindicato através do (11) 4806-6650 ou pelo email atendimento@bancariosjundiai.com.br


Campanha Nacional Contra as Demissões

Nesta quinta-feira (22) foi realizada reunião da COE Bradesco para discutir as demissões. Os dirigentes deliberaram pela adesão à campanha nacional contra as demissões, coordenada pela Contraf-CUT para combater os desligamentos nos bancos privados.

A campanha visa denunciar a quebra do compromisso assumido pela Fenaban, feito em mesa de negociação com o Comando Nacional Bancário, de não realizar demissões durante a pandemia.


O Santander foi primeiro banco a quebrar o compromisso e começou a demitir já no primeiro semestre deste ano. Depois também quebraram o compromisso o Itaú e Bradesco.

Os bancos já contabilizam mais de 12 mil demissões apenas neste ano.

QuemLucraNãoDemite

Nesta sexta-feira (23) houve tuitaço contra as demissões nos bancos.

A hashtag #QuemLucraNãoDemite ainda deve continuar sendo postada.

Divulguem ao máximo este protesto, peçam a contribuição de seus amigos e familiares na denúncia contra os bancos que vivem de lucros bilionários e não param de demitir.

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email