Contraf-CUT e Fenae lançam manifesto para Dia Nacional de Luta na Caixa

A Contraf-CUT e a Fenae estão divulgando um manifesto contra o processo de reestruturação em curso na Caixa Econômica Federal. Trata-se de uma carta aberta aos empregados para ser distribuída durante o Dia Nacional de Luta, marcado para a próxima quarta-feira, 7 de abril.

Clique aqui para acessar a carta aberta aos empregados.

A elaboração do material foi definida em reunião da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa) para auxiliar os sindicatos na mobilização dos trabalhadores para o dia de luta. No texto, as entidades afirmam que em uma gestão que “almeja a meta de transformar a Caixa na 'melhor empresa para se trabalhar', era de se esperar respeito e valorização dos seus empregados”.

“Mas, surpreendentemente, estes foram alijados mais uma vez, seja para contribuir na construção de uma nova estrutura com base na sua vivência dos processos produtivos ou mesmo para reorganizarem suas vidas, a fim de minimizar os impactos das mudanças em seu cotidiano pessoal e familiar”, denuncia o documento.

Para corrigir essa situação “gerada por medida atabalhoada da Caixa”, as entidades sindicais e associativas cobram:

- Imediata suspensão da implantação da nova estrutura;

- Adoção de garantias mínimas aos empregados que já estão sendo afetados pela reestruturação, tais como: manutenção da função, remuneração e lotação dos trabalhadores;

- Imediata divulgação do conteúdo integral da proposta de reestruturação e abertura de canal para que os empregados possam opinar em relação ao processo.

O documento pode ser acessado pelas entidades sindicais filiadas na seção de Downloads do site da Contraf-CUT.

Terceira etapa da reestruturação

Em reunião do Conselho Diretor da Caixa realizada na terça-feira, 30 de março, foi aprovada a terceira etapa da reestruturação. O banco havia informado à representação dos trabalhadores que divulgaria aos empregados nesta quarta os detalhes deste terceiro momento do processo. No entanto, nenhuma informação foi repassada pela empresa. 

Fonte: Contraf-CUT

Compartilhe!