ATUALIZE O SEU CADASTRO

Consumidor quadruplica renda com crédito fácil

Antes era preciso conversar com o gerente, esperar dias pela análise de crédito e ainda correr o risco de ter o pedido negado. Com o cenário econômico favorável, tomar um empréstimo ficou tão fácil que nem é mais preciso ir ao banco.

 

Dados obtidos pela reportagem com os bancos e com correntistas mostram que, com os limites concedidos hoje, os clientes conseguem pelo menos quadruplicar sua renda nas cinco maiores instituições do país, considerando empréstimos no cheque especial, crédito pessoal e cartão de crédito.

 

A facilidade do empréstimo pré-aprovado, retirado diretamente no caixa eletrônico, vem aumentando o poder de compra do brasileiro e o consumo de bens duráveis, como TV, geladeira e máquina de lavar. Por outro lado, estimula as decisões por impulso e pode levar ao endividamento excessivo.

 

Nilton Pelegrino, diretor de empréstimos do Bradesco, compara a importância do crédito ao sangue para os seres humanos. “Se for dado um litro a mais, mata o cliente.”

 

Impulsionado por essa mola, o consumo das famílias cresceu pelo sexto ano seguido em 2009, quando ainda ajudou a amortecer a queda do PIB (Produto Interno Bruto) causada pela crise global. “Para a economia como um todo, é bom. Para o indivíduo, pode ser ou não”, afirma o educador financeiro Mauro Calil.

 

Na opinião do ex-diretor do Banco Central e economista-chefe da CNC (Confederação Nacional do Comércio), Carlos Thadeu de Freitas, uma forma de fazer com que esse consumo seja feito de forma mais consciente é criar obstáculos.

 

“As crises mundiais mostram que é preciso haver algum constrangimento para tomar dinheiro emprestado”, afirma, referindo-se ao uso equivocado de linhas com juros altos que poderiam ser substituídas se o consumidor conhecesse melhor os produtos oferecidos.

 

Pesquisa da entidade com 17.800 consumidores em todo o país aponta que o percentual de famílias endividadas que usam o cartão de crédito como uma das formas de financiamento subiu de 69,8% em abril para 71,2% neste mês, contribuindo para a elevação da quantidade das inadimplentes (de 24,4% para 25,1%).

 

Esse tipo de empréstimo tem juros médios de 10,7% ao mês para quem cai na armadilha do pagamento mínimo, ante 2,4% do CDC, por exemplo.

 

Fonte: Folha OnLine

Compartilhe!