Comando da Nossa Caixa cobra solução de problemas na incorporação

Bancários cobram do BB solução para problemas na incorporação da Nossa Caixa PDF Imprimir E-mail
FETEC-CUT/SP   
03 /12 / 2009
ImageOs dirigentes sindicais apresentaram ao banco, uma série de questionamentos e dúvidas levantados pelos bancários e apontaram problemas já identificados na migração. Foto: Contraf-CUT

Na manhã desta quinta-feira (3), as entidades sindicais e o Banco do Brasil fizeram mais uma reunião para discutir o processo de migração dos funcionários da Nossa Caixa, na sede da Contraf-CUT. Os dirigentes sindicais apresentaram ao banco uma série de questionamentos e dúvidas levantados pelos bancários e apontaram problemas já identificados na migração.

Foi agendada para a segunda-feira (7), às 10h, mesa temática para discutir o FEAS, o fundo que garante assistência médica para aposentados da Nossa Caixa. Também está marcada para o dia 8 de dezembro mesa temática para dar continuidade aos temas discutidos nesta quinta (03).

“Diante dos inúmeros problemas ainda sem solução, orientamos que os trabalhadores tenham tranquilidade e não se precipitem em assinar o termo de opção sem que garantias consideradas primordiais sejam confirmadas pelo BB. Nós, da Executiva do Comando dos Trabalhadores do Banco Nossa Caixa daremos orientações após as próximas negociações”, reforça Adriana Pizarro, diretora da FETEC-CUT/SP.

Os problemas principais discutidos nesta reunião foram:

Termo de opção - O texto apresentado pelo BB para a adesão ao regulamento do banco não deixa claro quais são exatamente os direitos e benefícios que o funcionário estará renunciando, nem tampouco quais os direitos e benefícios que passará a ter após a adesão.

Simulador para migração - O simulador não mostra claramente qual o cargo similar no BB, omite gratificações ao apresentar a situação atual na Nossa Caixa. Os dirigentes sindicais constataram também a necessidade de o simulador apresentar de forma objetiva a real situação do funcionário e nomenclatura de cada uma das verbas recebidas hoje na Nossa Caixa, comparando com a situação análoga e suas respectivas nomenclaturas enquanto funcionário do BB.

Cursos oferecidos pelo BB - Dada a grande quantidade de cursos disponíveis, há a necessidade de ampliação do prazo para a conclusão.

TAO - A informação dos cursos disponibilizados pela Nossa Caixa para compor o perfil de cada funcionário apresenta falhas, havendo a necessidade de o bancário ter acesso a seu histórico para fazer as devidas correções/atualizações.

Redimensionamento das agências - O BB precisa apresentar para as entidades sindicais, com a máxima urgência, o redimensionamento/dotação das agências da Nossa Caixa já com a estrutura do Banco do Brasil.

Transferências - Diante do número expressivo de solicitações dos bancários de transferência de local de trabalho, há a necessidade de serem atendidas com a maior brevidade possível, antes que sejam feitas novas contratações.

Ponto eletrônico - Falhas no sistema de anotação de pontos estão impedindo o registro de horas extras, sejam para compensar os dias de greve ou as horas extraordinárias necessárias.

Redução salarial - O funcionário, ao aderir ao termo de opção, deve ter garantido, desde que assuma função similar no BB, no mínimo a mesma remuneração atual.

Caixa eventual - As garantias dadas pelo banco ao caixa executivo devem ser estendidas ao caixa eventual, permitindo que se torne efetivo.

Licenciados/férias - Funcionários licenciados ou em gozo de férias não podem ser prejudicados na concorrência, nem na adesão, por estarem ausentes de seu local de trabalho.

Esclarecimentos:

* Os representantes do BB reafirmaram que o interstício e os reajustes salariais incidirão sobre todas as verbas fixas (VP e VCPs).

* A utilização das ausências permitidas estão garantidas, não tendo mais dezembro como prazo limite.

* A PLR será paga proporcionalmente aos funcionários oriundos da Nossa Caixa, independentemente da adesão ao termo de opção.

* O BB reafirmou que as vagas surgidas a partir do PDV serão ocupadas por funcionários da Nossa Caixa.

* O bancário que entrou na Nossa Caixa como auxiliar-administrativo, e hoje está capacitado para ocupar funções técnicas, poderá concorrer a elas.

“As discussões estão contribuindo para dar mais transparência ao processo de incorporação, mas a Contraf-CUT espera que o BB atenda as reivindicações e propostas dos bancários oriundos da Nossa Caixa”, afirma Eduardo Araújo, membro da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil.


Juliana Satie com Contraf-CUT

Compartilhe!