Brasil é o segundo país no ranking do índice de mal-estar, diz FGV

Combinação de desemprego recorde e inflação alta levou o Brasil a ocupar a segunda pior taxa de desconforto socioeconômico do mundo

Levantamento realizado pelo pesquisador Daniel Duque, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), aponta que a combinação de desemprego recorde e inflação alta levou o Brasil a ocupar a segunda posição no ranking do índice de mal-estar entre 38 países.

A lista relaciona membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que reúne economias avançadas, e o Brasil.

A taxa de desconforto socioeconômico no Brasil chegou a 19,83% no primeiro trimestre de 2021 e só perde para a da Turquia, cujo último registro se refere ao quarto trimestre de 2020, quando chegou a 26,28%.

Logo atrás do Brasil aparecem Espanha (16,09%), Colômbia (15,63%), Grécia (14,08%) e Chile (13,42%). Quanto mais alto esse percentual, pior é a taxa.

O índice permite avaliar como o cidadão médio sente os efeitos da economia ao longo do tempo. Outra utilidade é avaliar a relação entre desemprego e inflação em determinada economia, já que a literatura compreende que uma boa gestão macroeconômica deve ser capaz de minimizar as duas taxas, com a possibilidade de se criar entre elas uma relação de trade-off (em que a alta de uma reduz a outra).

Com informações do Globo

fonte Revista Fórum

Desempregados há mais de dois anos podem entrar em situação de pobreza

 

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email