BB Franco da Rocha - após meses da denúnica, continua sem solução

Seeb/Jundiaí denuncia 'calabouço dos horrores' no BB PDF Imprimir E-mail
FETEC/CUT-SP   
08 /06 / 2009

Buracos no assoalho, arquivos sobrepostos, caixas acumuladas, cadeiras rasgadas, corredores apertados, espaço de trabalho diminuto, ratos e baratas. Esse é o caos constado pelo Sindicato dos Bancários de Jundiaí e Região nas agências locais do Banco do Brasil.

Na agência de Franco da Rocha, os funcionários estão impedidos até mesmo de esticar as pernas ou abrir os braços por conta do diminuto local de trabalho. Além disso, a mesa onde se fazem as refeições está envolta por caixas de arquivos empoeirados”, relata Álvaro Pires da Silva, secretário geral do sindicato.

Conforme denúncia da entidade, tal situação não é 'privilégio' apenas da agência Franco da Rocha. “No geral, as agências estão em situações parecidas, principalmente no que tange à falta de funcionários. Mas não é só isso. Ainda há o desrespeito a clientes e usuários”, relata o dirigente.

Conforme Álvaro, nas agências de Caieiras e Cajamar, o banco simplesmente ignorou a Lei de Acessibilidade, ao instalar um único caixa no primeiro andar, dificultando assim, acessos de idosos e deficientes físicos. “Para complicar a unidade não tem sequer rampa ou elevador para facilitar os acessos. Tampouco, há caixa preferencial, o que é uma vergonha”.

Além de encaminhar denúncia, o Seeb/Jundiaí está cobrando readequações por parte do banco, de forma a tratar com dignidade tanto os trabalhadores, como a população em geral.

Lucimar Cruz Beraldo

 

Compartilhe!