Bater meta não é “requisito” para permanecer no teletrabalho

Gestores utilizavam cumprimento de metas como condição para permanência no home office.

O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região recebeu denúncias de que bancários do grupo de risco para o Covid-19 em home office foram convocados a bater metas ou teriam o cancelamento do teletrabalho. Além disso, o funcionário seria incluído em banco de horas negativas. Diante desta situação, o Sindicato atuou junto à Super Estadual em São Paulo, que garantiu o retorno ao home office e a reclassificação do banco de horas.  

Após a atuação do Sindicato, a Superintendência reorientou os gestores das unidades, não sem antes demonstrar estranheza quanto à decisão dos administradores, cujo direcionamento errôneo não partiu da unidade responsável pelo Varejo em São Paulo. Caso ocorra algum desajuste sobre isso, o bancário deve denunciar ao Sindicato (veja como no final da matéria). O sigilo é garantido. 

Acordo 

O Acordo Coletivo de Trabalho Emergencial (Pandemia Covid-19), negociado entre movimento sindical e o BB, aprovado por 82,43% dos votantes em assembleia virtual realizada em junho, garantiu a redução de 10% das horas negativas, que poderão ser compensadas em até 18 meses após registro no sistema, além de outros avanços. 

Denuncie  

Getúlio Maciel, dirigente sindical e representante da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB (CEBB) alerta que todos os funcionários do banco devem se precaver contra outras possíveis medidas arbitrárias por parte do banco relacionadas ao home office. 

“Queremos negociação com o banco sobre o teletrabalho para garantir proteção em caso de vazamento de informações quando o trabalhador não tem responsabilidade ou no caso de problemas de saúde por falta de ergonomia. Além do direito a não ser abordado fora do horário, e ainda o direito a uma verba compensatória pelos gastos realizados. Estar em home office não desobriga o trabalhador de cumprir seu contrato de trabalho e jornada, que ajuda consideravelmente a unidade e os colegas que estão em trabalho presencial. Caso o bancário conheça algum colega ou ele mesmo esteja passando por depressão ou outro problema de saúde que o impossibilite de trabalhar, deve procurar seu médico e a CASSI, além de entrar em contato com o Sindicato. Nós vendemos nossa força de trabalho, entregamos horas do nosso dia ao banco. Pedimos respeito e condições adequadas para cumprir nosso papel enquanto banco público”, conclui Getúlio.  

Fonte: SPBancários com edições Seeb Jundiaí

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email