ATUALIZE O SEU CADASTRO

BANCO ITAÚ

Prioridades dos bancários são levadas à direção do Itaú



(São Paulo) Representantes da Contraf-CUT e dos sindicatos vão estabelecer calendário de negociações para Previdência Complementar, Remuneração, Saúde e Condições de Trabalho e Enquadramento Sindical/Ramo Financeiro


Como resultado do planejamento estratégico para este ano, além do seminário que reuniu na semana passada bancários do Itaú de todo o país, os representantes da Contraf-CUT e dos Sindicatos reuniram-se nesta quinta-feira com a direção do banco para apresentar as prioridades a ser discutidas em negociações específicas. A partir deste primeiro encontro será estabelecido calendário de negociações para cada um dos pontos.

Entre estes está a criação de um plano de previdência complementar de qualidade para todos os funcionários, que siga as melhores práticas existentes no país. “Empresa com o tamanho e o nível de lucro do Itaú deve ter um plano de previdência complementar decente, que, além de proporcionar segurança para seus funcionários na aposentadoria, sirva como mecanismo de financiamento e desenvolvimento ao país”, afirma Carlos Cordeiro, secretário geral da Contraf-CUT e funcionário do Itaú.

Remuneração - Toda a remuneração do funcionário, também, deve ser contratada com os sindicatos e a Contraf e ter reflexo em sua vida futura, sem os artifícios que são usados hoje para que parte não seja considerada, por exemplo, para o cálculo do FGTS, das férias, da aposentadoria.

Saúde e condições de trabalho - Faz parte, ainda, das reivindicações, o fim da metas abusivas e a melhora das condições de trabalho. E provas do que vem acontecendo não faltam, como a elevação do risco dos bancos feita pelo Ministério da Previdência. Trabalhar, na maioria dessas empresas, passou de risco leve para grave. “A gestão de pessoal da forma que é feita hoje leva ao adoecimento físico e mental, como o próprio INSS confirma. Temos de acabar com essa situação que se repete cada vez mais, de trabalhadores batendo à porta dos sindicatos porque não agüentam mais tanta pressão, o que gera até extremos como o suicídio”, diz Liliane Kely, do Sindicato de Belo Horizonte.

Ramo Financeiro - O quarto tema apresentado para as negociações foi a necessidade de o Itaú contratar de maneira correta todos os funcionários para que acabe com distorções como as terceirizações irregulares ou os funcionários da Taií, que trabalham com concessão de crédito, atividade-fim da financeira, mas são contratados, em sua maior parte, como comerciários. “Esse é um tema estratégico para a Contraf-CUT, porque é necessário garantir os direitos de todos os trabalhadores do sistema financeiro nacional, como bancários, financiários, securitários, entre outros. Para acabar com as irregularidades que existem hoje, em que os bancos atuam de maneira até ilegal para diminuir direitos de seus funcionários. É necessário o engajamento de todos os sindicatos e de todos os trabalhadores nessas discussões”, conclui Carlos Cordeiro.


Fonte: Contraf-CUT

Compartilhe!