Banco do Brasil promete mais uma vez aos bancários incorporados

BB promete proposta global para saúde e previdência nos bancos em incorporação

Ao instalar as negociações de mesas temáticas, nesta quinta-feira (28), em Brasília, a direção do Banco do Brasil prometeu apresentar, em curto prazo, uma proposta global sobre plano de saúde e previdência complementar envolvendo todos os bancos que estão sendo incorporados pela instituição.

Mas o que predominou na reunião foram os problemas que estão sendo enfrentados pelos bancários da Nossa Caixa nesse período de transição. Dentre eles, a questão da habitualidade e da gratificação variável na folha de pagamentos e a discriminação no holerite das chamadas Vantagens de Caráter Pessoal (VCP), registrado pelo BB como Vantagens de Caráter Pessoal Incorporados (VCPI) - o que, para o movimento sindical, pode trazer prejuízos em longo prazo.

Em razão de divergências conceituais entre o BB e os bancários, os temas habitualidade e VCPI serão objeto da negociação permanente. Sobre a gratificação variável e os problemas registrados na folha de pagamento, os bancários também aguardam resposta, com o BB se comprometendo a apresentar posição posteriormente.

Na oportunidade, as lideranças sindicais questionaram o tempo de experiência que o BB está exigindo dos funcionários da Nossa Caixa para que possam concorrer ao TAO (Programa de Talentos e Oportunidades): 5 anos. Para o movimento sindical, deve ser levado em conta todo o tempo de serviço prestado pelos bancários ao então banco paulista. A direção do BB se comprometeu em verificar buscar solução.

No que diz respeito à implantação do Programa BB 2.0, a instituição federal informou que serão criadas 196 novas vagas de comissionados e que os funcionários da Nossa Caixa estarão aptos a concorrer.

O BB também informou que todos os PAB´s da Nossa Caixa serão transformados em agências. No entanto, ainda não divulgou o dimensionamento dessas novas agências, o que engloba quantidade de bancários e de comissionados.

“Os debates foram produtivos, no entanto, existem muitas questões que estão preocupando em demasia os funcionários da Nossa Caixa, requerendo assim soluções imediatas. Por isso, a importância de os sindicatos pressionarem por definições, sobretudo para as questões de saúde, previdência e folha de pagamentos”, avisa o diretor da FETEC/CUT-SP, Antônio Sabóia.

 

Calendário:

Mesas temáticas
- 3 de fevereiro: PCCS e saúde e condições de trabalho.
- 24 de fevereiro: previdência e terceirização.

Mesa permanente de negociação
- 10 de fevereiro: BB 2.0, Comissão de Conciliação Prévia (CCP) e outras questões.

 

 

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email