Bancários do Santander exigem PPR justo e marcam dia nacional de luta

A ampliação e fortalecimento da jornada, iniciada no dia 28 de dezembro, e a realização de um dia nacional de luta na próxima quarta-feira, dia 20 de janeiro, foram as principais decisões da plenária nacional de dirigentes sindicais do Santander e Real, realizada pela Contraf-CUT na terça-feira, dia 12, em São Paulo. O objetivo é reforçar a mobilização para que o Santander retome as negociações e apresente uma proposta digna para o aditivo à convenção coletiva de trabalho e o acordo do Programa de Participação nos Resultados (PPR).

Participaram mais de 60 dirigentes sindicais de todas as regiões do país, oriundos de diversos sindicatos e federações. Também compareceu um representante da Contec.Todos se manifestaram indignados com a proposta de PPR do banco, cobraram melhorias no aditivo e prometeram aumentar a pressão sobre o Santander.

“Vamos intensificar o processo de mobilização em todo país, levando o jornal para os bancários que ainda não receberam. Além disso, vamos fazer crescer as manifestações e protestos, pois, com os lucros que vem acumulando, o Santander possui todas as condições financeiras para melhorar a proposta de aditivo e pagar um PPR justo”, afirmou o secretário de imprensa da Contraf-CUT, Ademir Wiederkehr. 

Na plenária, o Dieese fez uma apresentação, mostrando dados sobre as isenções tributárias do banco, em função da assinatura de acordos com as entidades sindicais envolvendo participação nos lucros e resultados.

Os dirigentes sindicais exigem do banco um critério para o pagamento de PPR e decidiram pela continuidade da jornada. A proposta do Santander é firmar um acordo por dois anos, pagando R$ 1 mil de PPR, em fevereiro de 2010, e outros R$ 1 mil corrigidos pelo índice de reajuste a ser conquistado na campanha salarial deste ano, em fevereiro de 2011. Isso é inaceitável!

Enquanto isso, o banco aprovou na assembleia dos acionistas de 2009 o valor de R$ 223,8 milhões para remunerar seus 26 diretores executivos, o que significa uma média de R$ 8,26 milhões para cada um.

“Pagando mais de R$ 8 milhões a cada diretor executivo, o valor que sobra para os bancários não é ilegal, já que não existe nenhuma lei que restrinja a remuneração dos executivos. Mas essa distribuição tão desigual é, sem dúvida, imoral”, reiterou o diretor da Federação dos Bancários do RJ-ES, Paulo Garcez.

“Não podemos admitir um valor aleatório para o pagamento de PPR, quando o Santander paga milhões para seus diretores executivos e patrocina Fórmula 1 e Copa Libertadores. Vamos continuar com a mobilização até que o Santander atenda nossas reivindicações”, disse a diretora do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Rita Berlofa.

Aditivo tem avanços e pendências

Já a proposta de aditivo também por dois anos à convenção coletiva contém avanços, como a manutenção dos incentivos à aposentadoria até 31 de agosto de 2010, a conquista da licença sem vencimentos de 30 dias e a extensão do prêmio de dois salários para os funcionários do Santander que completaram 25 anos de casa antes de 1º de janeiro de 2009. 

Mas há várias pendências, como a garantia de emprego durante o processo de fusão, o termo de compromisso para manutenção do patrocínio do HolandaPrevi e Bandeprev, a criação de um grupo de trabalho para discutir o processo eleitoral do HolandaPrevi e Sanprev, a unificação do valor do auxílio-academia e a extensão de direitos dos bancários da Espanha.


Fonte: Contraf-CUT com Seeb São Paulo e Feeb-RJ/ES

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email