Bancários de Jundiaí e região aprovam propostas com recorde de votação

Por ampla maioria no país, categoria aprovou Convenção que garante direitos

Por ampla maioria, em todo o país bancári@s aprovaram a Convenção Coletiva de Trabalho Nacional (CCT) que garante direitos para os bancários de norte a sul do Brasil. A categoria aprovou a proposta final negociada pelo Comando Nacional d@s Bancári@s com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). Também foram aprovados os acordos coletivos dos bancos públicos (Caixa, Banco do Brasil, Banrisul, BASA e Banco do Nordeste).

Jundiaí e Região

Em Jundiaí e região todas as propostas foram aprovadas, com recorde de votos de bancários e bancárias.
A direção do Sindicato informa que as assinaturas da Convenção Coletiva de Trabalho e dos Acordos Coletivos de Trabalho devem ser realizadas nesta terça-feira, 01/09.
Confira nossos resultados:
Bancos Privados:

Sim: 92,64%
Não: 6,13%
Abstenções: 1,23%
Banco do Brasil
Sim: 89,67%
Não: 9,24%
Abstenção: 1,09%
Caixa Econômica Federal
Sim: 67,97%
Não: 31,37%
Abstenção: 0,65%
Reajuste e Abono

O acordo garante reajuste salarial e abono de R$ 2 mil em 2020, aumento real em 2021, além da manutenção dos direitos da Convenção Coletiva e dos acordos específicos dos bancos públicos. O resultado da negociação foi positivo para a categoria bancária de acordo com a presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira.

Na conjuntura que a gente fez a campanha, de pandemia, de crise econômica, desemprego, de um governo de extrema direita e que ataca direitos, o resultado dessa campanha é muito bom. A categoria manteve todos os direitos. Isso se dá graças à nossa organização nacional”, avaliou Juvandia, coordenadora do Comando Nacional dos Bancários, que negociou com a Fenaban.

Para 2021, o acordo garante a reposição do INPC acumulado no período (1º de setembro de 2020 a 31 de agosto de 2021) e aumento real de 0,5% para salários e demais verbas como vale-alimentação e vale-refeição, assim como para os valores fixos e tetos da PLR. A proposta prevê ainda a manutenção de todas as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho e dos acordos específicos de bancos públicos por dois anos.

Acordo vai ajudar economia brasileira

Reajustes de salários, vales e da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) terão um valor total de R$ 8.098.464.934,10, de acordo com dados do Departamento Intersindical de Estudos e Estatísticas Socioeconômicas (Dieese). Somente o impacto da PLR é de R$ 6.211.796.397,21 na economia. O reajuste salarial, incluído o abono, vai implicar na injeção de outros R$ 757.064.915,60.

Restaurantes, lanchonetes e supermercados de todo o país também terão um alívio com a injeção de outros R$ 223.047.621,29, referentes ao reajuste dos vales refeição e alimentação. “Quando o trabalhador ganha, toda a sociedade ganha. Com esses valores, os bancários vão consumir, o comércio vai vender, vão reformar suas casas, vão pagar suas dívidas. Ganha a economia e ganha o governo, que arrecada mais, quando a economia gira”, afirmou a presidenta Contraf-CUT.

fontes Seeb Jundiaí e Seeb São Paulo

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email