ATUALIZE O SEU CADASTRO

Após fusão com Unibanco, Itaú quer se distanciar do Bradesco

Bancos: Ritmo de crescimento da instituição mostrou aceleração no último trimestre 
Valor Econômico
Aline Lima, de São Paulo

Terminado o processo de migração das agências do Unibanco para o Itaú, o maior banco privado do país promete voltar a abrir a distância que o separa do segundo colocado, o Bradesco. Enquanto o Itaú Unibanco concentrou seus esforços na fusão ao longo dos últimos 12 meses, o Bradesco acelerou a oferta de crédito e conseguiu encurtar essa diferença sensivelmente. Mas, se considerado um intervalo de tempo menor, mais recente, a tendência reação do Itaú Unibanco pode ser percebida.

Os ativos totais do Bradesco apresentaram evolução de 26% entre setembro de 2009 e setembro deste ano, para R$ 611,93 bilhões. Nesse período, os ativos do Itaú Unibanco cresceram 12,1%, chegando a R$ 686,248 bilhões. O Santander permanece na terceira colocação, com R$ 357,633 bilhões (pelo padrão contábil IFRS).

Quando comparados os números do terceiro trimestre com os do segundo trimestre do ano, o crescimento dos ativos do Bradesco, de 9,6%, ainda se mantém como o mais forte. O avanço do Itaú Unibanco foi de 5,3% e o do Santander, de 3%. O que se percebe é que a velocidade imprimida pelo Itaú Unibanco vem aumentando. As concessões de empréstimo oferecem uma boa medida dessa reação. A carteira de crédito do Itaú Unibanco registrou expansão de 5,7% entre o segundo e terceiro trimestres de 2010, índice superior ao do sistema financeiro nacional, que segundo o Banco Central cresceu 5,4%. Nesse mesmo período, a carteira de Bradesco aumentou em 4,4%, e a do Santander, em 5,5%.

Ao mesmo tempo, análise dos números mostra que o forte crescimento no trimestre dos ativos do Bradesco, que sempre se destacou pelo crédito, foi sustentado por forte expansão de 25% da carteira de títulos e valores mobiliários, que atingiu R$ 196 bilhões.

“A integração, de fato, tirou a ênfase das operações com clientes, em alguns momentos, mas isso já não acontece mais”, afirma Rogério Calderon, diretor de controladoria do Itaú Unibanco. “Temos toda capacidade para manter a liderança.” 

O Bradesco perdeu o posto de número 1 do mercado no início de 2009, logo depois de o Itaú anunciar a fusão com o Unibanco.

No conjunto, os três maiores bancos privados do país lucraram R$ 7,496 bilhões no terceiro trimestre de 2010. Somados, os ativos totais atingiram R$ 1,656 trilhão. Além da expansão do crédito, contribuiu para os resultados a manutenção da tendência de queda das despesas com provisões para devedores, que nos 12 meses encerrados em setembro encolheram 29,4%.

O segmento de pequenas e médias empresas despontou como o principal motor do crédito nos balanços do terceiro trimestre. No Bradesco, avançou 27,6% em 12 meses e 6,7% na comparação com o trimestre anterior, liderando a expansão dos estoques. No Itaú Unibanco, o saldo da modalidade evoluiu ainda mais (30%), para R$ 76,4 bilhões. Só perdeu para o crédito imobiliário, que apresentou alta de 41,4%, mas sobre um estoque pequeno, de R$ 7 bilhões ao fim de setembro.

Até mesmo o Santander, que vinha exibindo um comportamento tímido frente à concorrência, reagiu e, nesse terceiro trimestre, colocou o caixa para girar. O segmento de pequenas e médias empresas figurou como o grande destaque da carteira de crédito, com expansão 14,7% nos 12 meses encerrados em setembro. Carlos Galán, vice-presidente executivo de finanças do Santander, contou que foi tomada uma série de medidas para revigorar a área, que contemplou desde a mudança de comando até a incorporação de outras equipes, como a de risco, para junto da área comercial. “Demoramos, mas a boa notícia é que reagimos.”

Compartilhe!