Apesar de nova proposta, greve continua nesta segunda feira (11/10)

A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) apresentou ao Comando Nacional dos Bancários neste sábado (9/10), nova proposta que inclui reajuste de 9,82% para o piso salarial, 6,5% de reajuste para quem ganha até R$ 4.100 (e um valor fixo de R$ 266,50 para os salários superiores a esse valor). Propôs também 6,5% de reajuste para a PLR e todas as verbas salariais e auxílios.

 

Para o Comando Nacional, é inaceitável o teto de R$ 4.100. Isso significa que quem ganha acima de R$ 6.212 terá reajuste abaixo da inflação do período. O Comando considera insuficiente o índice de reajuste do piso da categoria em 9,82% e considera muito rebaixado índice de reajuste de 6,5% sobre a PLR, pois é preciso que os bancos aumentem a distribuição da PLR em relação ao ano passado, mediante a alta lucratividade dos bancos.

 

A Fenaban pediu a suspensão temporária das negociações e a retomada ficou agendada para segunda-feira, dia 11, às 11h, e se sinalizaram que apresentarão proposta sobre assédio moral e segurança bancária.

A greve continuará nesta segunda-feira em toda região de Jundiaí e a tendência é de que outras agências venham a aderir. A greve dos bancários já é considerada uma das maiores das última duas décadas.

 

Protesto contra pedido de prisão de dirigentes

O Comando Nacional fez um protesto veemente à Fenaban contra a postura do Itaú de solicitar a prisão do presidente do Sindicato dos Bancários de Brasília. Rodrigo Britto é membro do Comando Nacional. Outros bancos estão fazendo a mesma coisa contra dirigentes sindicais e trabalhadores em greve em vários Estados. O Comando disse que a prática antissindical é inaceitável em uma sociedade democrática onde o direito de greve está assegurado na Constituição.

Negociações nos bancos públicos federais

Devido as negociações com a Fenaban na segunda-feira, às 11h, as reuniões sobre as pautas específicas do Banco do Brasil e da Caixa não acontecerão mais às 10h. Serão realizadas ao final das negociações com a Fenaban.

 

A nova proposta da Fenaban

Novo piso salarial: R$ 1.180 (reajuste de 9,82%)
Reajuste de salários: 6,5% até R$ 4.100.
Reajuste para salários acima de R$ 4.100: R$ 266,50 fixos.
PLR: reajuste de 6,5%, tanto para a regra básica quanto para o adicional.
Reajuste dos benefícios e verbas salariais: 6,5%.

Comente a nova proposta aqui




Fonte: Sindicato dos Bancários de Jundiaí e Região com informações da Contraf-CUT

Compartilhe!