Dia Nacional de Luta pelo respeito à jornada de trabalho

Nesta quarta-feira, dia 4/4, os empregados da Caixa realizaram um Dia de Luta no Brasil, contra a extrapolação da jornada e o trabalho gratuito. Na capital de São Paulo, o dia marcou o lançamento de uma campanha pelo respeito à jornada, que percorrerá toda a base para envolver os trabalhadores.

Na última reunião do Coletivo Estadual da Caixa o desrespeito à jornada foi apontado como um dos maiores problemas e o mais denunciado aos sindicatos, que é decorrente da falta de empregados no banco, o que motivou uma proposta de mobilização nacional feita à CEE Caixa na reunião do dia 21/03.

“As reclamações gerais são de realização de frequentes horas-extras superiores ao limite legal pelas baterias de atendimento, de política de restrição ao registro de horas-extras, de política abusiva de compensação de horas e de dificuldades para a realização das pausas para repouso e alimentação e gozo de férias”, afirma Jackeline Machado, diretora da FETEC-CUT/SP.

Os trabalhadores e dirigentes sindicais estão constatando que as novas contratações nunca arrefecem a deficiência das estruturas já existentes. “O banco faz o contrário, os trabalhadores são direcionados para novas agências, numa política de expansão de rede que se torna auto agressiva, uma vez que não revê estruturas que de tão defasadas oferecem risco à própria segurança – tanto física, bancária e das próprias operações, e parte para a abertura de novas agências com equipes subdimensionadas no próprio planejamento”, reforça a dirigente.

Segundo Jackeline, o resultado acompanhado pelos dirigentes sindicais é de uma gestão cada vez mais improvisada das unidades e o acúmulo de trabalho sendo administrado pelos empregados, que por sua vez têm tido mais dificuldades para registrar todas as horas trabalhadas. “Num cálculo rápido, considerando um empregado que realiza 1 hora extra por dia sem registrar o ponto corretamente, o prejuízo ao final de 12 meses será de, no mínimo: R$ 6.086,66 para os TBs; R$ 12.020 para os caixas”, demonstra.

Também se considerarmos 1hora por dia realizada por empregado, sem registro, isso rende à Caixa a economia de 1 bilhão/ano.

Nesse dia o sindicato também dialogou com a população explicando a necessidade de o banco contratar os concursados com maior agilidade e prover as unidades já existentes com a quantidade de empregados necessária para atender às demandas cada vez maiores de banco comercial e de agente executor de políticas públicas do governo federal.

Interior – Os sindicatos do interior da base da FETEC-CUT/SP também participaram do Dia Nacional de Luta pelo respeito à jornada de trabalho. Araraquara, Catanduva e Guarulhos dialogaram com os empregados ao distribuir o material específico. Assis enviou o jornal para o e-mail de todos os trabalhadores da Caixa de sua base. E o Seeb Limeira utilizou carro de som na agência central da cidade.

A Caixa havia se comprometido a implantar o sistema de login único no SIPON (Sistema de Ponto Eletrônico) a partir de 26/03, mais um compromisso não cumprido pelo banco e que está sendo aguardado pelos empregados e representantes.

 

Juliana Satie

 

Fonte: Fetec/CUT-SP

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email