Contraf-CUT negocia com Itaú e arranca proposta de PCR e bolsa educação

 

Contraf-CUT negocia com Itaú e arranca proposta de PCR e bolsa educação

 
Crédito: Seeb São Paulo
Seeb São Paulo Proposta é resultado de intenso processo de negociações em 2012

A Contraf-CUT, federações e sindicatos retomaram as negociações com o Itaú na tarde desta quinta-feira (16), em São Paulo, e após intenso processo de discussões, iniciado no começo deste ano, o banco apresentou proposta para a Participação Complementar nos Resultados (PCR). Os valores pagos dependerão do indicador de retorno sobre patrimônio liquido (ROE).

“Pela proposta do banco, o valor mínimo a ser recebido pelo funcionário será de R$ 1.800, um crescimento de 12,5% em relação ao que foi pago no ano passado, que foi de R$ 1.600”, afirma Wanderley Crivellari, um dos coordenadores da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú Unibanco, que assessora a Contraf-CUT nas negociações com o banco.

“A PCR é uma conquista de longa data dos funcionários do Itaú e traz as seguintes características defendidas pelo movimento sindical: é linear, todos recebem o mesmo valor indistintamente, não é compensável com nenhum programa próprio, ou seja, todo mundo vai receber, e não é baseada em metas individuais”, explica Wanderley.

Antecipação da PCR

A primeira parcela da PCR, no valor de R$ 1.000, será paga conjuntamente com a antecipação da PLR da categoria, que será negociada na mesa de negociação da Campanha 2012 entre o Comando Nacional dos Bancários e a Fenaban. O valor restante de R$ 800 será creditado junto com a segunda parcela da PLR.

Compromisso

O banco assumiu também compromisso com o movimento sindical de abrir negociações sobre a PCR do próximo ano e de debater os programas próprios imediatamente após a Campanha 2012.

Bolsa educação

A Contraf-CUT também conquistou mais 1.500 bolsas educação, sendo que 1.000 serão destinadas preferencialmente a bancários com deficiência.

Com isso, o movimento sindical obteve um total de 5.500 bolsas educação: 4 mil para bancários, 1.000 para bancários com deficiência e outras 500 para trabalhadores não bancários da holding.

A bolsa educação será retroativa a fevereiro deste ano e totalizará 11 parcelas, cobrindo 70% da mensalidade com teto de R$ 320. Não há restrição de cursos. Assim qualquer primeira graduação é possível.

Outra antiga reivindicação do movimento é a desvinculação do auxílio educação da PCR. “Isso também foi garantido nesta negociação”, destaca Wanderley.

A abertura do processo de inscrição para o auxílio educação será divulgada em breve pelo banco.

Ponto eletrônico

O banco também apresentou proposta de acordo coletivo que regulamenta o Sistema Alternativo Eletrônico de Jornada de Trabalho. As negociações sobre este tema também aconteceram durante o primeiro semestre deste ano e as alterações solicitadas pela Contraf-CUT foram feitas pelo Itaú.

“Dentre as alterações, destacamos a possibilidade da marcação do ponto eletrônico apenas nas dependências internas do banco”, destaca Wanderley.
O comprovante de registro de ponto também foi alterado pelo banco, conforme solicitação da Contraf-CUT.

“Os sindicatos vão poder fiscalizar cada vez mais a jornada de trabalho no Itaú, visto que a falta de funcionários tem gerado sobrecarga de trabalho e extrapolação do horário”, aponta Jair Alves, um dos coordenadores da COE do Itaú Unibanco.

Orientação aos sindicatos

Nos próximos dias, a Contraf-CUT deverá encaminhar aos sindicatos uma circular jurídica orientando a realização de assembleias dos funcionários do Itaú para avaliar e deliberar sobre as propostas de PCR e bolsa educação e sistema de ponto eletrônico.

Todas as propostas de acordo coletivo têm validade de um ano.

Fonte: Contraf-CUT

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email