Comando Nacional negocia saúde e segurança com bancos nesta segunda

Nesta segunda e terça-feira (5 e 6), acontece a segunda rodada de negociação da Campanha Nacional dos Bancários 2011, em São Paulo. O Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, se reúne com a Fenaban para discutir os itens da pauta de reivindicações ligados à saúde e condições de trabalho e à segurança bancária.

Entre as reivindicações de saúde, destacam-se o combate ao assédio moral e o fim das metas abusivas, ambos eleitos pelos bancários como prioridades da campanha nas consultas realizadas pelos sindicatos e na pesquisa nacional realizada pelo Dieese a pedido da Contraf-CUT. Dos 27.644 bancários ouvidos, 63% apontaram os dois problemas como prioritários nos temas de saúde do trabalhador.

“São temas fundamentais e inseparáveis, uma vez que a lógica da cobrança por metas está na raiz do crescimento dos casos de assédio moral”, afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional. “Os bancos instalaram um clima de pressão constante sobre seus funcionários que beira o terror. Não é à toa que os casos de adoecimento psíquico têm crescido rapidamente entre os bancários. Não é possível falar em emprego decente numa situação como essa”, completa.

As reivindicações da pauta de Saúde do Trabalhador incluem ainda itens importantes, como o reembolso de consultas médicas e do valor gasto em medicamentos de uso contínuo, e ampliação do número de horas para a amamentação no caso de filhos gêmeos, entre outros.

Segurança Bancária

As reivindicações relativas à segurança bancária também estão na pauta da próxima reunião com os banqueiros. Os trabalhadores reivindicam melhoria da assistência médica e psicológica às vítimas da violência e insegurança nos bancos; instalação de mais equipamentos de prevenção contra assaltos, sequestros e extorsões; adicional de 30% de risco de morte no valor da remuneração mensal; entre outras demandas.

“Os bancários estão expostos ao risco cada vez maior de assaltos. Somente no primeiro semestre deste ano foram 838 ataques a bancos e ocorreram 20 mortes em assaltos envolvendo bancos no mesmo período, segundo levantamentos feitos pela Contraf-CUT e pela Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV). É uma situação inaceitável”, afirma Cordeiro.

Comando Nacional orienta mobilização

Para pressionar os bancos e buscar novas conquistas na mesa de negociação, o Comando Nacional, reunido na segunda-feira (29), em São Paulo, decidiu orientar os sindicatos a intensificar a mobilização e a realizar semanas nacionais de luta, focando o tema que estará em negociação na mesa da Fenaban, conforme abaixo: 

– 5 a 9 de setembro: saúde, condições de trabalho e segurança; 
– 12 a 16 de setembro: remuneração.

O objetivo é aumentar a mobilização da categoria e dialogar com os clientes e a sociedade, mostrando a importância das reivindicações dos bancários, que visam emprego decente e melhoria do atendimento bancário para todos os cidadãos brasileiros.

Calendário de negociações com Fenaban

2ª rodada: 5 e 6 de setembro – saúde, condições de trabalho e segurança
3ª rodada: 13 de setembro – remuneração

Calendário de negociações específicas com os bancos públicos

2 de setembro: Caixa e Banco do Nordeste
8 de setembro: Banco do Brasil e Caixa
9 de setembro: Banco do Brasil e Banco da Amazônia
14 de setembro: Caixa


Fonte: Contraf-CUT

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email