Comando Nacional negocia remuneração nesta quarta com Banco do Brasil

O Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, assessorado pela Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), retoma as negociações da pauta específica com o BB nesta quarta-feira (14), às 10h, em Brasília.

Na segunda rodada de negociações, os bancários discutem melhorias na remuneração. Entre os pontos da pauta específica estão Plano de Carreira e Remuneração (PCR), Plano de Cargos Comissionados (PCC).

“Vamos cobrar o Plano de Cargos Comissionados, um dos principais pontos da pauta, que até hoje o BB não admite discutir com os funcionários. Exigimos que seja negociado e construído com o movimento sindical”, afirma Eduardo Araújo, coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB.

Próxima rodada

A terceira rodada de negociação, em que o banco deve apresentar propostas efetivas, será realizada na próxima terça-feira, dia 20 de setembro, em São Paulo, por volta das 16h. No mesmo dia ocorre também rodada de negociação com a Fenaban, na capital paulista.

Confira os principais pontos que estarão em discussão nesta quarta:

Plano de Carreira e Remuneração

– Melhorar o PCR: Plano de Carreira e Remuneração com a majoração do interstício na tabela por antiguidade (A1 – A12) para 6%, e com isso a amplitude aumentará para 1,90 (hoje é de 1,38);

– TODOS os funcionários DEVEM PONTUAR DIARIAMENTE NA CARREIRA DE MÉRITO, enquadrando os caixas e escriturários nas faixas G1 a G4. As funções devem ser distribuídas nos grupos por níveis de responsabilidade e não por valores de remuneração. A contagem de pontos será da seguinte maneira: G1 = 2 anos, G2 = 1,5 ano, G3 = 1 ano, G4 = 6 meses, pois dessa maneira melhora-se a possibilidade da base da pirâmide atingir níveis mais altos da Carreira “M” após 35 anos de trabalho;

– AS FUNÇÕES SERÃO DE 6 HORAS, com valores apropriados de ABF (Adicional Básico de Função) respeitando sempre o parâmetro mínimo de 55% a mais sobre o salário-base da empresa (conforme cláusula 8ª: VP – E1 + gratificação semestral do E1 + anuênios do funcionário, ou seja, VCP do ATS). O VR segue existindo como PISO DE FUNÇÃO;

– Os funcionários em mandatos de representação pontuarão normalmente como os demais colegas de trabalho, conforme a função que cada um detinha à época da liberação para a atividade sindical, pois isso se trata de IGUALDADE DE OPORTUNIDADES para os representantes dos trabalhadores como qualquer outro trabalhador da empresa. Os bancários em cargos de representação como delegados sindicais, cipeiros e dirigentes sindicais são todos considerados DA ATIVA, ou seja, FORÇA REAL DE TRABALHO, INCLUSIVE PARA ELEIÇÕES EM CONSELHOS DE ÉTICA E DE ADMINISTRAÇÃO;

– AS SUBSTITUIÇÕES DE FUNÇÕES DEVEM SER PAGAS e também devem ser pontuadas conforme a faixa ou grupo G em que elas se encontrem, bem como deve ser considerado o HISTÓRICO FUNCIONAL anterior a 2006 de todos os trabalhadores pré-1998, pós-1998 e incorporados;

Plano de Cargos Comissionados

– Igualdade de oportunidades para as mulheres, com criação de regras para ampliar a presença de mulheres em cargos comissionados;

– Igualdade de oportunidades para negros e deficientes;

– Revisão das comissões a seguir: CABB – Unificação atendentes A e B, com VR no valor do piso do BB mais 55% de gratificação de função; CSO – Enquadrar fiscais como analistas A, SAC SP – enquadrar os assistentes A como analistas, CSO Risco União – enquadrar os assistentes A como analistas, SERET/Nuval – criação da função de analista B e fim do desvio de função dos caiex destas unidades, Equiparação da remuneração dos Gerentes de Segmento do BB a Gerentes de Relacionamento da Caixa etc;

– Cabb – Concorrência/Remoção para outras unidades sem necessidade de descomissionamento;

– Caixas – revisão da gratificação/comissão de caixa, equiparando o valor ao da Caixa Federal, com criação do VR para o cargo. A dotação mínima deve ser de três caiex por agência, fim do PSO e Comissionamento automático de caixas após 90 dias de atuação;

– Retorno do pagamento de todas as substituições, fim da lateralidade e do desvio de função com campanha de denuncia feita pelos Sindicatos;

– VCP de 12 meses para funcionários atingidos por reestruturações;

– Revitalização da carreira técnico científica e da carreira de apoio;

– Revisão da pontuação do TAO da carreira dos egressos de bancos, considerando o histórico funcional com reconhecimento do tempo de serviço nos bancos incorporados, inclusive para efeito de contagem da carreira de mérito;

– Incorporação de 10% da comissão a cada ano de trabalho;

– Comissionamento: nomeação via provas de seleção interna;

– Reajuste da verba de aprimoramento profissional;

– Fim do modelo de segmentação BB 2.0 e da rotatividade de encarteiramento, que traz insegurança aos gerentes de contas, quanto à extinção de funções, ou cria expectativa de ascensão aos assistentes de negócios que criam carteiras, mas não são efetivados gerentes;

– Fim da trava de dois anos para comissionamentos e transferências.

Outros itens de Remuneração

– Estagiário: Garantir o salário de escriturário A1, além da concessão/manutenção dos benefícios de vale transporte, vale refeição e cesta alimentação;

– Anuênio, Licença Prêmio e Férias de 35 dias para todos os funcionários;

Funcionários oriundos de bancos incorporados optantes:

– Igualdade de oportunidade em comissionamentos para todos;

– Extensão dos direitos e benefícios do aditivo sem restrição aos não optantes;

– Desmembramento do VCPI, em VCP-I e VCP de VP, com revisão dos reajustes do VCP de VP do acordo de 2010;

– Direito de uso do PAS para todos

Demais itens

– Vale Transporte: Garantir o uso de transporte intermunicipal;

– Criação do Auxilio Educação;

– Reajuste do valor das diárias de viagens a serviço e do valor do reembolso de combustível em caso de uso de automóvel próprio em 50% nos casos de serviços externos.

Fonte: Contraf-CUT

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email