Trabalhadores do CCB Brasil concluem minuta de reivindicações e defendem criação da COE

COE do Mercantil conclui minuta de reivindicações com destaque para defesa do emprego e valorização dos trabalhadores
8 de junho de 2017
Santander: Encontro Nacional aprova plano de lutas específico
8 de junho de 2017

Os trabalhadores do Banco CCB Brasil (antigo BIC) reuniram-se, na manhã desta quinta-feira (8), no Hotel Marabá, em São Paulo, para concluir a minuta de reivindicações que será encaminhada ao banco. A reunião fez parte do Encontro Nacional dos Funcionários dos Bancos Privados, realizado para elaborar estratégias da Campanha Nacional dos Bancários 2017.

Durante o Encontro, o grupo debateu melhorias nas áreas de saúde, segurança, condições de trabalho e o uso das novas tecnologias.

Emprego

Os dirigentes e empregados do CCB Brasil defendem a contratação de mais funcionários para otimizar a qualidade do atendimento e reduzir a sobrecarga de trabalho. O grupo também fez ampla defesa da garantia e manutenção dos empregos.

Saúde

Os dirigentes pedem a melhoria do plano odontológico e a extensão dos programas de vacinação contra a gripe H1N1/Influenza para os dependentes legais dos empregados do CCB Brasil.

Segurança

Os dirigentes também exigem que o banco emita a CAT em casos de acidente de trabalho e nos casos em que o empregado sofra assalto ou violência.

Assédio

De acordo com o grupo, é fundamental que o CCB Brasil coíba situações de discriminação, humilhação e constrangimento por parte de gestores e de empregados. Os dirigentes também exigem o fim das metas abusivas.

Inovação

Os empregados também consideram de suma importância que o banco invista em novas tecnologias para inibir práticas fraudulentas, promovendo maior segurança, possibilitando aumento na carteira de clientes, e também para se adequar às novas exigências do mercado, ampliando os postos de trabalho.

COE

Para Matuzalem Silva de Albuquerque, da FETEC-CN/CUT, a criação da Comissão de Organização dos Empregados (COE) foi a principal deliberação da reunião do CCB Brasil. “É imprescindível criarmos uma negociação permanente entre empregados e empregadores, com dirigentes eleitos nas agências de suas bases”, informou.

De acordo com Luiz Roberto Félix (Bebeto), dirigente do Sindicato dos Bancários no Ceará e coordenador do grupo, o Encontro Nacional foi excelente, porque permitiu um amplo debate sobre o atual momento do banco e também do país. “Foi possível encontrarmos saídas para os problemas que temos enfrentado com a aquisição do banco pelos chineses”, disse. “Reconhecemos a importância desse encontro e parabenizamos a Contraf por nos dar suporte e lembrar do CCB Brasil nesse momento delicado. Hoje entendemos que estamos sendo ouvidos e a democracia é isso. Somos um banco de pequeno porte e com poucos funcionários, mas sabemos que o olhar da Contraf-CUT é para todos”, conclui Bebeto.

Leia também:

Trabalhadores do CCB Brasil defendem criação da COE

Reforma trabalhista e tecnologia impactam emprego e perfil dos trabalhadores

Defesa do emprego e dos direitos são prioridades no Encontro dos Bancos Privados

Comando Nacional debate estratégia para Campanha Nacional no Encontro dos Bancos Privados

 

Fonte: Contraf-CUT