Direção do Santander impõe banco de horas

Movimento Sindical coleta assinaturas contra reforma da Previdência
5 de dezembro de 2017
Vitória: Caixa continua 100% pública
8 de dezembro de 2017

Em termo individual, com assinatura eletrônica via Portal RH, banco determina limite de até seis meses para compensação de horas extras, acarretando em prejuízo financeiro aos bancários; Sindicato cobra cancelamento da medida

 

A direção do Santander, em mais um desrespeito flagrante aos seus funcionários, responsáveis pelo maior lucro do banco em todo mundo, impôs aos bancários um termo individual, através de assinatura eletrônica no Portal RH, que estabelece normas para banco de horas na instituição. No documento, fica estabelecida a possibilidade de prorrogar em até 2 horas a jornada de trabalho, sendo que a compensação destas horas extras pode ser feita em até seis meses da data de ocorrência.

De acordo com o Sindicato, o banco de horas gera prejuízo financeiro aos funcionários. O Sindicato informa ainda que a hora extra deve ser paga sempre em dinheiro, acrescida de adicional de 50%, com reflexo nas demais verbas. ‘’Como o termo estabelece a razão de 1 hora extra para 1 hora de compensação, o bancário sai perdendo”, critica a diretoria do Sindicato.

O prazo e forma de compensação também são outro problema. Como os seis meses para compensação contam a partir da data de ocorrência da hora-extra, e não da assinatura do termo, o bancário dificilmente receberá pelo acréscimo de jornada em dinheiro.
A diretoria do Sindicato lembra que com o termo imposto aos trabalhadores a direção do Santander flexibiliza a jornada de trabalho, evita contratar novos funcionários e desrespeita o processo negocial.

“Essa imposição de banco de horas, sem qualquer negociação com os representantes dos bancários, é reflexo da reforma trabalhista, aprovada pelo governo Temer sob encomenda de banqueiros e rentistas”, avaliam os diretores.

O Sindicato cobra que a direção do Santander cancele o termo e respeite o processo negocial com a representação dos bancários. “Já acionamos o banco e agendamos uma reunião para a próxima semana. Estamos lutando para reverter essa situação”, informa Natalício Gomes (Natal), diretor do Sindicato e funcionário do Santander.

fonte: seeb SP e seeb Jundiaí